Meningococo B é responsável pela maior parte dos casos de meningite bacteriana em alguns países no mundo

Doença, que afeta principalmente crianças de até 1 ano de idade e pode matar em 24 horas, ganha prevenção com nova vacina20

São Paulo, maio 2015

A doença meningocócica é considerada um problema de saúde pública em todo o mundo, devido à facilidade de contágio, rápida evolução e alta letalidade. Estima-se que no mundo ocorram 500 mil casos da doença meningocócica por ano, sendo 50 mil óbitos24 . No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, em 2014 foram notificados mais de 1.500 casos da doença, sendo que as regiões Sudeste e Sul apresentam os maiores números de notificações24.

A meningite é uma infecção que se instala principalmente quando uma bactéria ou vírus, por alguma razão, consegue vencer as defesas do organismo e ataca as meninges — três membranas que envolvem e protegem o encéfalo, a medula espinhal e outras partes do sistema nervoso central9.

O meningococo B (MenB) é uma das principais causas de meningite bacteriana nos países de primeiro mundo1,2 e responsável pela maioria dos casos de doença meningocócica em muitos países desenvolvidos1,3,4. Em 2009, a incidência da doença causada por MenB em crianças de até um ano de idade, na Europa, foi 23 vezes maior do que aquela para a população, em geral20 . No Brasil, a doença causada por MenB foi responsável por 53% dos casos diagnosticados em crianças com menos de 5 anos de idade em 201424.

Até recentemente não havia vacina que oferecesse cobertura ampla contra o MenB5,6,7. Agora, a doença pode ser prevenida por meio de uma vacina, a BEXSERO® , produzida pela GSK, primeira a oferecer ampla cobertura contra a PRESS RELEASE maioria dos casos de doença meningocócica causada por cepas do sorogrupo B9 . A imunização é indicada a partir dos dois meses e pode ser aplicada até os 50 anos25.

Transmissão e sintomas

A transmissão da doença acontece por meio de secreção respiratória (saliva, espirro e tosse). O que torna a doença meningocócica tão preocupante é que os sintomas iniciais são inespecíficos, ou seja, normalmente confundidos com outras enfermidades, o que dificulta o diagnóstico e atrasa o tratamento, podendo levar à morte entre 24 e 48 horas9.

Riscos

Os sinais e sintomas iniciais da doença meningocócica — incluindo febre, irritabilidade, dor de cabeça, perda de apetite, náusea e vômito — assemelham-se aos do resfriado e de outras doenças virais comuns9,10. Na sequência, o paciente pode apresentar manchas arroxeadas na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz. Após 15 horas, o quadro geralmente evolui para confusão mental, convulsão, sepsis e choque, falência múltipla de órgãos e risco de morte. Essa rápida progressão deixa pouco tempo para o diagnóstico e o tratamento apropriados em tempo hábil, reforçando a necessidade de prevenção da doença por meio de vacinação12.

A doença meningocócica é uma ameaça à vida e é fatal em aproximadamente 10% dos casos14, mesmo com intervenção médica adequada e cuidados intensivos. A taxa de fatalidade de caso pode chegar a 50% se a doença não for tratada9. Mesmo assim, a doença meningocócica pode causar deficiências sérias e permanentes9,18,19. Até 20% dos sobreviventes apresentam sequelas permanentes significativas, incluindo dano cerebral, disfunção adrenal (problema provocado nas glândulas suprarrenais, responsáveis por sintetizar hormônios importantes em nosso processo metabólico, como cortisol e testosterona), perda auditiva, insuficiência renal e amputações de membros9,17,18.

Dentre as crianças que sobrevivem à doença meningocócica causada por MenB, aproximadamente 10% apresentam complicações significativas, incluindo amputações, convulsões, perda auditiva e retardo cognitivo11. Mais de um terço dos sobreviventes da doença causada por MenB na infância apresentam outros problemas de saúde permanentes, como distúrbios psicológicos, QI baixo (menor que 85, com base nas escalas de Inteligência de Wechsler), amputações de dedos, perda auditiva pequena ou unilateral e déficits de comunicação não significativos16.

Embora as pessoas de todas as idades possam ser expostas à doença meningocócica, a enfermidade afeta desproporcionalmente crianças de até um ano de idade18,21. Crianças nessa faixa etária são particularmente suscetíveis à doença meningocócica devido a não exposição prévia e a um sistema imunológico imaturo18,21. Um segundo pico na incidência acontece em adolescentes e adultos jovens, entre 15 e 24 anos de idade18,20,22,23.

Sobre a GSK

Uma das indústrias farmacêuticas líderes do mundo, a GSK está empenhada em melhorar a qualidade da vida humana permitindo que pessoas façam mais, vivam melhor e por mais tempo. Para mais informações, visite www.gsk.com.br.

Contatos:

Diretoria de Comunicação Corporativa (GSK)

Jeferson Fernandes - jeferson.x.fernandes@gsk.com
Telefone: (21) 2141-6464

Tino Comunicação (Assessoria de Imprensa)

Adriana Solinas (11) 3529-3619/(11) 98609-5930
adriana@tinocomunicacao.com.br

Mariana Lanfranchi (11) 3529-3777/(11) 99618-1513
mariana@tinocomunicacao.com.br

Vinicius Volpi (11) 3529-3618/(11) 97492-8040
vinicius@tinocomunicacao.com.br

Referências

1. New and Under-utilized Vaccines Implementation (NUVI). Bacterial meningitis. World Health Organization website.http://www. who.int/nuvi/meningitis/en/index.html. Atualizado em fevereiro de 2012. Acessado em 2 de julho de 2013.

2. Al-Mazrou YY, Al-Jeffri MH, AbdallaMN, ElgizouliSA, Mishskas AA. Changes in epidemiological pattern of meningococcal disease in Saudi Arabia. Does it constitute a new challenge for prevention and control? Saudi MedJ. 2004;25(10):1410-1413.

3. Harrison LH, Trotter CL, Ramsay ME. Global epidemiology of meningococcal disease. Vaccine. 2009;27(Suppl 2):B51-63.

4. Trotter CL, Chandra M, Cano R, et al. A surveillance network for meningococcal disease in Europe. FEMS Microbiol Rev. 2007;31(1):27-36.

5. Harrison LH. Prospects for vaccine prevention of meningococcal infection. Clin Microbiol Rev. 2006;19(1):142- 164.

6. Stephens DS, Greenwood B, Brandtzaeg P. Epidemic meningitis, meningococcaemia, and Neisseria meningitidis. Lancet. 2007;369(9580):2196-2210.

7. Stephens DS. Conquering the meningococcus. FEMS Microbiol Rev. 2007;31(1):3-14.

8. Vogel U, Taha MK, Vazquez JA, et al. Predicted strain coverage of a meningococcal multicomponent vaccine (4CMenB) in Europe: a qualitative and quantitative assessment. Lancet Infect Dis. 2013;13(5):416-425.

9. Meningococcal meningitis. Factsheet No. 141. World Health Organization website. http://www.who.int/mediacentre/ factsheets/fs141/en/. Atualizado em novembro de 2012. Acessado em 2 de julho de 2013.

10. Thompson MJ, Ninis N, Perera R, et al. Clinical recognition of meningococcal disease in children and adolescents. Lancet. 2006;367(9508):397-403.

11. Meningococcal disease. Centers for Disease Control and Prevention website. http://www.cdc.gov/meningococcal/.Atualizado em 22 de abril de 2013. Acessado em 2 de julho de 2013.

12. Andre FE, Booy R, Bock HL, et al. Vaccination greatly reduces disease, disability, death and inequity worldwide. Bull World Health Organ. 2008;86(2):140-146.

14. Initiative for Vaccine Research (IVR). Bacterial infections: meningococcal disease. World Health Organization website. http://www.who.int/vaccine_research/diseases/soa_bacterial/en/index1.html. Acessado em 2 de julho de 2013.

16. Viner RM, Booy R, Johnson H, et al. Outcomes of invasive meningococcal serogroup B disease in children and adolescents (MOSAIC): a case-control study. Lancet Neurol. 2012;11(9):774-783.

17. Granoff DM, Gilsdorf JR. Neisseria meningitidis (Meningococcus). In: KleigmanRM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RE, eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:929-935.

18. Rosenstein NE, Perkins BA, Stephens DS, Popovic T, Hughes JM. Meningococcal disease. N Engl J Med. 2001;344(18):1378- 1388.

20. European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC). Surveillance of invasive bacterial diseases in Europe 2008/2009. Stockholm, Sweden: ECDC; 2011.

21. Goldschneider I, Gotschlich E, Artenstein M. Human immunity to the meningococcus. I. The role of humoral antibodies. J Exp Med. 1969;129(6):1307-1326. PRESS RELEASE

22. Ladhani SN, Flood JS, Ramsay ME, et al. Invasive meningococcal disease in England and Wales: implications for the introduction of new vaccines. Vaccine. 2012;30(24):3710-3716.

23. Parent du Châtelet I, Taha MK, Lepoutre A, Maine C, DeghmaneAE, Bruhl DL. Les infections invasives à méningocoques en France en 2011: principales caractéristiques épidémiologiques. Bull Épidémiol Hebd. 2012;49-50:569-573.

24. Pesquisa realizada na base de dados do DATASUS, utilizando os limites “FAIXA ETÁRIA” para linha, “ SOROGRUPO” para coluna, “CASO CONFIRMADOS” conteúdo, “2015” , “Todas as categorias” para Ano, “ Todas as categorias” para mês , “ Todas as categorias” para Notificação, “Todas as categorias” para Residência, “Todas as categorias” para Município, “Todas as categorias” para Raça, “Todas as categorias” para Sexo, “Todas as categorias” para Faixa Etária, “ Todas as categorias” para Etiologia, Categoria B para Sorogrupo, Todas as categorias” para critério conf., “Todas as categorias” para Evolução. Disponível em http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/tabnet/tabnet?sinannet/meningite/bases/meninbrnet.def Acessado em junho de 2015.

25. Bula da Vacina Adsorvida Meningocócica B (recombinante) da Novartis, aprovada pela ANVISA em 05/01/2015, sob o nº de registro no MS 1.0068.1118.