Tratamento garante qualidade de vida para jovens portadores de HIV

Cuidados específicos e medicação correta propiciam crescimento e desenvolvimento adequados

Rio de Janeiro, março de 2015 - A introdução da terapia antirretroviral combinada com três drogas reduziu substancialmente a mortalidade e a morbidade de crianças, adolescentes e adultos vivendo com HIV, informa o Ministério da Saúde em seu relatório “Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para manejo da Infecção pelo HIV em crianças e adolescentes”, lançado em 2014.

Neste documento, a infecção pelo HIV é apresentada como uma doença crônica, o que implica no tratamento antirretroviral contínuo e a necessidade de uma abordagem criteriosa para o início da terapia antirretroviral, bem como para a escolha dos esquemas subsequentes. O Dr. Roberto Zajdenverg, Líder médico HIV/AIDS, doenças infecciosas & imunoinflamatórias da GSK / ViiV Healthcare Brasil, esclarece como o avanço na oferta de medicamentos ajuda no tratamento.

“Se os medicamentos corretos forem utilizados, há a possibilidade de mais qualidade de vida. Os efeitos colaterais são os mesmos para qualquer pessoa vivendo com HIV e específicos para o tipo de medicamento utilizado”, afirma o especialista.

O Tivicay™(dolutegravir) inaugura uma nova geração de inibidores da integrase, classe de medicamentos que já tem como representantes o raltegravir e elvitegravir, para uso combinado com outros medicamentos antirretrovirais no tratamento de adultos e adolescentes vivendo com HIV. Ele age mais rapidamente na supressão da carga do vírus. Além disso, o Tivicay é administrado em dose única diária em combinação com outros medicamentos anti-retrovirais. Ou seja, é mais benéfico para o paciente e permite uma maior aderência ao tratamento.

Os objetivos do tratamento antirretroviral em adolescentes são:

1. Reduzir a morbimortalidade e melhorar a qualidade de vida;

2. Propiciar crescimento e desenvolvimento adequados;

3. Preservar, melhorar ou reconstituir o funcionamento do sistema imunológico, reduzindo a ocorrência de complicações infecciosas e não-infecciosas;

4. Proporcionar supressão máxima e prolongada da replicação do HIV, reduzindo o risco de resistência aos antirretrovirais;

5. Minimizar a toxicidade da terapia antirretroviral, definindo o melhor esquema terapêutico de acordo com o histórico clínico, hábitos de vida, comorbidades e medicamentos concomitantes. Sobre a GSK A GSK é uma das líderes mundiais na criação de soluções terapêuticas que ajudam a melhorar a qualidade de vida das pessoas. A empresa dedica cerca da 4 bilhões de libras esterlinas à pesquisa e ao desenvolvimento de novos medicamentos, o que representa um dos maiores investimentos do setor. É ainda a companhia da área de saúde mais bem preparada para criar a partir dos avanços da biotecnologia.

Distribui produtos em 114 países, contando com uma equipe de mais de 96 mil pessoas no mundo todo. A sede mundial fica no Reino Unido e a regional da América Latina, no Rio de Janeiro.