9 de junho: Dia Mundial da Imunização, entenda o impacto da vacinação no Brasil

 

 

No Dia Mundial da Imunização, 09 de junho, é importante lembrar que a vacinação é o caminho para a prevenção de diversas doenças, tendo grande impacto na saúde mundial. Com exceção da água potável, nenhuma outra modalidade (nem mesmo os antibióticos) teve tanto resultado na redução da mortalidade e no crescimento populacional.1

Desde antes da criação do Programa Nacional de Imunizações, em 1973, até hoje, várias campanhas de vacinação conseguiram eliminar doenças que assombravam o Brasil, como a pólio e a rubéola, além de controlar casos de sarampo, varicela e rotavírus, H1N1 e meningite no país 2-11.

Apesar das campanhas nacionais e dos calendários de vacinação das Sociedades Médicas e do Programa Nacional de Imunização (PNI), muitos só atentam para a vacinação de si mesmos e de seus filhos em momentos de surto, como, por exemplo, coqueluche, difteria e meningite, que tiveram recentes casos relatados e vêm alarmando a população.12, 13, 14

O Brasil é referência mundial na produção de vacinas e na abrangência do calendário vacinal15. A produção de vacinas combinadas, por exemplo, depende de extensivas pesquisas e consideráveis investimentos, para garantir a compatibilidade entre os antígenos da formulação, imunogenicidade e uma reatogenicidade aceitável. 17Elas apresentam muitos benefícios para as crianças e pais - menos injeções e menor número de visitas às clínicas. Além disso, para os profissionais de saúde há uma maior adesão às campanhas, uma melhor logística e economia de recursos. Já para a comunidade significa redução da carga de doença e custos para o sistema de saúde.16,17,18,22

Top 5: doenças que mais preocupam os pais brasileiros

Uma pesquisa internacional conduzida pela GSK, realizada com 1.000 responsáveis no Brasil, mostra que de uma lista de 14 doenças com prevenção através da vacinação, a doença meningocócica é considerada pelos responsáveis como a de maior risco à saúde dos filhos.  A meningite foi considerada a doença mais grave por 64% dos entrevistados, seguida pela doença pneumocócica (45%), Hepatite B (43%), poliomielite (24%), tétano (20%) e coqueluche (14%)19.

                       

International Meningitis Parent Survey, Ipsos MORI on behalf of GSK. 5 February – 4 March, 2016 19.

Mesmo com tantas campanhas de vacinação existe grande falta de conhecimento dos pais sobre as doenças, também revelado pela pesquisa da GSK. No entanto, os responsáveis responderam que gostariam de ter mais informações sobre como proteger seus filhos. A maioria dos entrevistados disse que deveriam ser informados sobre as vacinas que não fazem parte da rotina de imunização de programas nacionais. Além disso, nove em cada dez disseram que os profissionais de saúde devem informá-los sobre todas as vacinas de prevenção a doenças. 19

Sendo assim, segue abaixo as informações gerais das cinco doenças que mais preocupam os pais brasileiros.

TOP 5

  • Doença meningocócica20,21, 23

A Doença Meningocócica pode ocorrer em qualquer parte do mundo e as crianças e jovens viajantes estão entre os mais afetados, principalmente os que frequentam ambientes com aglomeração de pessoas (grandes eventos, por exemplo); dormitórios e transportes coletivos, incluindo os ônibus de turismo. O risco varia de acordo com a epidemiologia local (quantidade e distribuição de casos). Além do comprometimento da saúde do indivíduo, a infecção implica a possibilidade de introdução da doença nos países de origem do viajante após seu retorno para casa. Em função da grande variedade na distribuição geográfica dos sorogrupos (tipos) de Neisseria meningitidis (ou meningococo, bactéria causadora da doença meningocócica) em todo o mundo, é importante que a população esteja imunizada contra o maior número possível de sorogrupos.  Cinco dos seis principais sorogrupos do meningococo podem ser prevenidos através da vacinação, no entanto, mais da metade dos responsáveis não sabem quais vacinas contra a doença estão disponíveis nos programas de vacinação de seu país.

  • Doença Pneumocócica20

A doença pneumocócica é causada pela bactéria pneumococo e pode causar doenças como pneumonia, meningite, otite e sinusite. Os mais acometidos são: os menores de 2 anos e os maiores de 60 anos, os diabéticos, os cardíacos, as pessoas com comprometimento dos pulmões, rins, que não possuem o baço (asplênicas) ou com outras condições debilitantes.

  • Hepatite B20

Sexualmente transmissível, pode ser adquirida também através de contato com sangue ou secreções de portadores, e objetos cortantes contaminados.

  • Poliomielite (“Paralisia Infantil”)20

Está eliminada das Américas, portanto, não há risco de ser adquirida no Brasil. Contudo, devido ao deslocamento de pessoas pelo mundo e a possibilidade de ressurgimento da doença, é necessário garantir que toda a população esteja imunizada.

  • Difteria, Tétano e Coqueluche20

Podem acometer pessoas de qualquer idade. A difteria é transmitida por gotículas de saliva e está controlada no Brasil, mas ainda é causa de raros surtos isolados. O tétano é causado pela contaminação de ferimentos por terra, fezes e saliva ou por lâminas enferrujadas e por infecções dentárias. Já a coqueluche, também transmitida por gotículas de saliva, está ressurgindo em todo o mundo.

Sobre a Pesquisa da GSK19

A pesquisa Vença a Meningite foi conduzida pelo instituto Ipsos MORI, encomendada pela GSK. Ela foi realizada entre fevereiro e março de 2016, via questionário online endereçado a pais e mães, com amostra de 5.000 entrevistados, de cinco países em três continentes: Brasil, Canadá, Alemanha, Itália e Portugal. 

Foram entrevistados 1.000 responsáveis de cada país. O critério para seleção dos entrevistados era terem ao menos um filho com idade de até quatro anos e participarem das decisões sobre a saúde dos filhos, por exemplo, quais vacinas infantis já tinham sido, ou seriam aplicadas. Pais e mães foram incluídos na pesquisa na razão 2:1 e um mínimo de 150 responsáveis em cada país tinham que ter filhos com idade abaixo dos seis meses.

Sobre a GSK

Uma das indústrias farmacêuticas líderes do mundo, a GSK está empenhada em melhorar a qualidade da vida humana permitindo que pessoas façam mais, vivam melhor e por mais tempo. Para mais informações, visite www.gsk.com.br.

Referência:

  1. Plotkin et al. Ch 1 in      Plotkin et al. Vaccines. 6th Edition, Elsevier Saunders, 2012.
  2. BRASIL.      Programa Nacional de Imunizações – 30 anos. Ministério da Saúde. Brasilia,      2013.
  3. RIBEIRO, et al.Haemophilus      influenzae meningitis 5 years after introduction of the Haemophilus      influenzae type b conjugate vaccine in Brazil. Vaccine, 2007.
  4. PAHO. Elimination of      rubella and congenital rubella syndrome in the Americas. 2015. Disponível      em: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=10801%3Aeli.      Acessado em 03 Dez. 2015.
  5. CARMO, GMI el al.      Decline in Diarrhea Mortality and Admissions after Routine Childhood      Rotavirus Immunization in Brazil: A Time-Series Analysis. Plosmedicine. 8(4):e1001024.      2011.
  6. BRAZIL.      National Pneumococcal meningitis reporting. MoH – SAUDE disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=37811.      Acessado em: 02 Junho 2016.
  7. DOMINGUES, CMA. et al.      Eff ectiveness of ten-valent pneumococcal conjugate vaccine against      invasive pneumococcal disease in Brazil: a matched case-control study. Lancet      Resp Medicine. 2014. Disponível      em: http://dx.doi.org/10.1016/S2213-2600(14)70060-8.      Acesso em: 02 Jun. 2016.
  8. GRANDO, IM. et. al.      Impact of 10-valent pneumococcal conjugate vaccine on pneumococcal      meningitis in children up to two years of age in Brazil. Cad. Saúde      Pública, Rio de Janeiro, 31(2):276-284, 2015.
  9. DOMINGUES, CMA. Uptake      of pandemic influenza (H1N1)-2009 vaccines in Brazil, 2010. Vaccine, 2012.
  10. ROCHA, HAL. et al. Factors associated with      non-vaccination against measles in northeastern Brazil: Clues about causes      of the 2015 outbreak. Vaccine, 2015.
  11. CENTRO      DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC".      Varicela: distribuição de surtos, casos e óbitos, por ano de início dos      sintomas e faixa etária, estado de São Paulo, 2002 a 2016. (0616) Disponível      em: <http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/resp/pdf/varicela_dados.pdf>.2016;      acessado em 01 junho 2016: Web, 1
  12. BRASIL.      Ministério da Saúde. Coqueluche no Brasil: análise da situação      epidemiológica de 2010 a 2014. Boletim Epidemiológico Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/dezembro/08/2015-012---Coqueluche-08.12.15.pdf>.      Acessado em  01 junho 2016.
  13. CEARÁ.      Secretaria de Saúde. Nota Técnica sobre difteria. Disponível em: <http://www.saude.ce.gov.br/index.php/notas-tecnicas?download=2244%3Anota-tecnica-sobre-difteria>.      Acesso em: 01 jun 2016.
  14. G1      - Você conhece alguém que teve meningite este ano? Como evitá-la? (0616) Disponível      em: <http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2014/08/voce-conhece-alguem-que-teve-meningite-este-ano-como-evitar.html>.2014;      03 de junho 16: Web, 1-2
  15. Portal      Brasil. Brasil é referência mundial      na fabricação de vacinas.      Disponível em: http://www.brasil.gov.br/ciencia-e-tecnologia/2010/12/brasil-e-referencia-mundial-na-fabricacao-vacinas. Acesso em 08 jun.      2016.
  16. Dodd, D. Benefits of      combination vaccines: effective vaccination on a      simplified schedule. Am J Manag Care, 9(1): S6-S12, 2003.
  17. Marcy, SM. Pediatric      combination vaccines: their impact on patients, providers, managed care      organizations and manufacturers. Am J Manag Care, 9(4): 314-20, 2003. 
  18. Mullany, L.      Considerations for implementing a new combination vaccine into managed      care. Am J Manag Care, 9(1): S23-9, 2002.
  19. International      Meningitis Parent Survey, Ipsos MORI on behalf of GSK. 5 February – 4      March, 2016. (Data on file).
  20. BRAVO, F. et al. Guia de Saúde: viagens &      grandes eventos. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Magic RM Ascom, 1994.      Disponível em: http://sbim.org.br/images/files/guia-saude-viagens-e-grandes-eventos-port-140407-web.pdf Acesso em: 02 de junho 2016
  21. European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC). (2014). Annual Epidemiological Report— Vaccine-preventable diseases—invasive bacterial diseases 2014. Disponível em: http://www.ecdc.europa.eu/en/publications/Publications/AER-VPDIBD-2014.pdf. Acessado em 01 junho 2016.
  22. PHARMA. Vaccine fact book, 2013. Disponível em:<http://www.phrma.org/sites/default/files/pdf/PhRMA_Vaccine_FactBook_2013.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2016.
  23.  International Meningitis Parent Survey, Ipsos MORI on behalf of GSK. 5 February – 4 March, 2016. (Data on file).