GSK lança campanha de conscientização sobre a Meningite

 

Concurso cultural “Meu Futuro Campeão” e participação da fotógrafa australiana, Anne Guedes, embaixadora mundial da causa fazem parte da campanha

 

A GSK elegeu 2016 como o ano de combate à meningite e lança uma campanha global com o objetivo de conscientizar sobre a doença, suas causas, consequências e a importância da prevenção. Estima-se que no mundo ocorram 500 mil novos casos da doença meningocócica por ano, sendo 50 mil óbitos.1

A campanha conta com a participação da fotógrafa australiana Anne Guedes, embaixadora mundial da causa que fará um ensaio fotográfico em Nova Iorque com bebês e seis atletas paralímpicos de diversos países, que superaram a doença, entre eles um brasileiro, durante a semana que inclui o Dia Mundial da Meningite (24 de abril).

A fotógrafa veio ao Brasil para lançar a campanha, durante um encontro com mães blogueiras. O objetivo do evento foi alertar as mães sobre os riscos dessa doença potencialmente letal e as formas de melhor proteger seus filhos, incluindo a vacinação. Na mesma data será lançado o Concurso cultural “Meu Futuro Campeão”.

A ação está sendo promovida pela GSK, exclusivamente no Brasil, para conscientizar pais e mães sobre a importância da vacinação e da criação de hábitos dirigidos a uma vida saudável. Para participar os pais devem enviar fotos dos filhos praticando esportes e aqueles que fizerem as melhores imagens ganharão uma sessão de fotos com a fotógrafa brasileira, Simone Silvério, e também um Ipad. O cadastramento das fotos deve ser feito no microssite da campanha

A iniciativa global tem parceria com a Confederação das Organizações de Meningite (CoMO), entidade mundial que apoia os interesses das instituições que atuam em prol do controle da doença. Além disso, uma pesquisa global, realizada em cinco países, inclusive no Brasil, vai analisar o conhecimento e hábitos de pais e mães em relação à doença. Os dados serão divulgados no dia 24 de abril.

Sobre a Meningite

No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, em 2015 foram notificados mais de 1.130 casos da doença, sendo que as regiões Sudeste e Sul apresentam os maiores números de notificações.2

Os sorogrupos B, C, W e Y continuam sendo os principais causadores da doença meningocócica no Brasil.2 Mas desde 2010 o índice de meningite C diminuiu substancialmente no país, devido à implementação da vacina contra o patógeno MenC no Programa Nacional de Vacinação para crianças menores de 2 anos de idade3,2. Sendo assim, a Meningite B, proporcionalmente, tornou-se uma prioridade para crianças menores de 5 anos de idade nos últimos anos.4

A doença meningocócica pode causar sequelas incluindo dano cerebral, perda auditiva e amputações de membros. 5,6,7

Mesmo quando a doença é diagnosticada precocemente e o tratamento adequado é iniciado, aproximadamente 23% dos pacientes acometidos vão a óbito no Brasil, geralmente, em 24 a 48 horas após o início dos sintomas.5,8

Sobre a GSK

Uma das indústrias farmacêuticas líderes do mundo, a GSK está empenhada em melhorar a qualidade da vida humana permitindo que pessoas façam mais, vivam melhor e por mais tempo. Para mais informações, visite www.gsk.com.br.

 

Referências:

1. CASTIÑEIRAS, TMPP. et al. Doença meningocócica. In: CENTRO DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE PARA VIAJANTES. Disponível em: Acesso em: 07 ago. 2015.

2. BRASIL. Ministério da Saúde. Datasus. Pesquisa realizada na base de dados DATASUS, utilizando os limites "SOROGRUPO" para Linha, "FAIXA ETÁRIA" para Coluna, "CASOS CONFIRMADOS" para Conteúdo, "2015" para Períodos Disponíveis "MM", "MCC" e "MM+MCC" para Etiologia, "TODAS AS CATEGORIAS" para os demais itens. Dados enviados pelo Ministério da Saúde através do Sistema de Informação ao Cidadão em 21 jan. 2015.

3. CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA “PROF. ALEXANDRE VRANJAC”. Informe técnico: vacina conjugada contra o meningococo C (0116). Disponível em:

 <http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/imuni/pdf/IF10_VAC_CONJUGADA_MENIGOC.pdf>.  Acesso em 01 de março de 2015

4. BRASIL. Ministério da Saúde. DATASUS. Pesquisa realizada na base de dados DATASUS, utilizando os limites “SOROGRUPO” para Linha, “ANO 1º SINTOMA(S)” para Coluna, “CASOS CONFIRMADOS” para Conteúdo, “2008”, “2009”, “2010”, “2011”, “2012”, “2013” e “2014” para Períodos disponíveis, “2008”, “2009”, “2010”, “2011”, “2012”, “2013” e “2014” para Ano 1º Sintoma(s), “< 1 ano” para Faixa Etária, “MM”, “MCC” e “MM + MCC“ para Etiolgia, “A”, “B”, “C”, “Y” e “W135” para Sorogrupo, "TODAS AS CATEGORIAS" para os demais itens. Base de dados disponível em:

 <http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/tabnet/dh? sinannet/meningite/bases/meninbrnet.def >. Acesso em: 25 out. 2015. Dados atualizados em 22/06/2015

5. WHO. Meningococcal meningitis, factsheet No. Nº141. 2012. Disponível em:

 <http://www.who.int/mediacentre/ factsheets/fs141/en/>. Acesso em: 16 fev. 2016.

6.  ROSENSTEIN, NE. et al. Meningococcal disease. N. Engl J Med, 244(18):1378-88, 2001.

7. BRASIL. Ministério da Saúde. DATASUS. Pesquisa realizada na base de dados DATASUS, utilizando os limites “ANO 1º SINTOMA(S)” para Linha, “EVOLUÇÃO” para Coluna, “CASOS CONFIRMADOS” para Conteúdo, “2015”, “2014”, “2013”, “2012” e “2011” para Períodos Disponíveis, “MM”, “MCC” e “MM + MCC“ para Etiolgia, "TODAS AS CATEGORIAS" para os demais itens. Acesso em: 17 ago. 2015.

8. Granoff DM, Gilsdorf JR. Neisseria meningitidis (Meningococcus). In: KleigmanRM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RE, eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:929-935.