Anvisa amplia indicação de Nucala® para crianças com asma grave

Terapia está aprovada no Brasil para adultos desde agosto de 2017

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou em Agosto de 2019 o uso de Nucala® (mepolizumabe), da GSK, como nova opção complementar ao tratamento padrão da asma grave eosinofílica em pacientes pediátricos com idade a partir de seis anos e adolescentes. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a asma é uma doença crônica que afeta cerca de 20 milhões de brasileiros.5

Caracterizada por quadros de exacerbações frequentes, mesmo com o tratamento adequado, que inclui altas doses de corticosteroides diariamente, a forma grave da asma é responsável por mais de 50% do custo total dos investimentos em tratamento da asma no mundo.1,2 Da população total acometida pela doença crônica, estima-se que 5% a 10% tenham asma grave.2

A evolução no manejo da asma grave para o tratamento eficaz da doença inclui a terapia imunobiológica Nucala® (Mepolizumabe 100mg SC), anticorpo monoclonal humanizado anti-IL-5 da GSK – que pode impactar positivamente na qualidade de vida do paciente. De acordo com os estudos clínicos, o medicamento diminui em média 50% o uso de corticosteroides orais e reduz em cerca de 60% as internações hospitalares e as visitas à emergência causadas pelos episódios de exacerbações.3,4

Sobre a Asma Grave

A asma grave é definida como asma que requer tratamento com corticosteroides inalatórios de dose média ou alta (CI) e um segundo controlador (e / ou corticosteroides sistêmicos) para evitar que a doença se torne "não controlada" ou que permaneça "descontrolada". Pacientes com asma grave também são frequentemente categorizados pelo uso prolongado de corticosteroides orais (OCS). 2

Entretanto, é importante entender as diferentes formas de asma. A de difícil controle, por exemplo, é aquela em que os fatores contínuos, como comorbidades, baixa adesão e exposição excessiva a alérgenos e/ou tabagismo, interferem no controle. Mais resistente ao tratamento, o tipo refratário tem como principal característica, além da dificuldade de controlar a doença, o aparecimento de mais quadros de exacerbações, mesmo nos casos de indivíduos submetidos ao uso de corticosteroides. A manifestação grave, por sua vez, inclui pacientes com o tipo refratário e os que não obtiveram resposta completa ao tratamento de comorbidades.6

Sobre a GSK

Uma das indústrias farmacêuticas líderes do mundo, a GSK está empenhada em melhorar a qualidade da vida humana permitindo que pessoas façam mais, vivam melhor e por mais tempo. Para mais informações, visite www.gsk.com.br

  

Referências:

 1. ANTONICELLI, L., et al. Asthma severity and medical resource utilisation. European Respiratory Journal 23-34: 723-729, 2004.

 2. CHUNG, KF. et al.International ERS/ATS guidelines on definition, evaluation and treatment of severe asthma. Eur Respir J; 43(2):343-73, 2014

 3. BEL, EH., et al. Oral glucocorticoid-sparing effect of mepolizumab in eosinophilic asthma.New England Journal of Medicine 371(13): 1189-1197, 2014.

 4. ORTEGA, HG., et al. Mepolizumab treatment in patients with severe eosinophilic asthma. New England Journal of Medicine 371(13): 1198-1207, 2014.

 5. Sociedade Brasileira de Pneumologia. Disponível em: https://sbpt.org.br/portal/publico-geral/doencas/asma-perguntas-e-respostas/ Acessado em 2 de Agosto de 2019.

 6. Global Initiative For Asthma (GINA). Pocket Guide For Asthma Management and Prevention. Disponível em: <https://ginasthma.org/wp-content/uploads/2019/04/GINA-2019-main-Pocket-Guide-wms.pdf>. Acesso em 29 ago. 2019.

 

NP-BR-MPL-PRSR-190001